Estado capitalista e democracia

uma relação de contingência

Palavras-chave: Estado capitalista, Democracia, Autoritarismo, Institucionalismo

Resumo

Motivado pelo fenômeno da ascensão de governos com características autoritárias no contexto latino-americano e mundial, este trabalho propõe uma reflexão sobre a relação contingente entre Estado e democracia no capitalismo, numa perspectiva marxista. Essa linha argumentativa é apresentada como uma abordagem alternativa à corrente institucionalista. Em um primeiro momento, são apresentadas criticamente algumas interpretações teóricas que estabelecem uma concepção normativa da democracia liberal, a qual é compreendida como um regime político alinhado ao processo de modernização que tem em sua base um conjunto de direitos e garantias individuais, e, portanto, teoricamente incompatíveis intervenções autoritárias do Estado na sociedade. Em seguida, discute-se a relevância do debate acerca da relação entre Estado capitalista e democracia liberal, a partir de uma visão crítica, para a compreensão de fenômenos como a ascensão de governos com traços autoritários. Conclui-se que a ascensão de governos com características autoritárias são uma possibilidade prevista na dinâmica do Estado capitalista. Além disso, constata-se que o fenômeno democrático, assim como o autoritário, deve ser compreendido a partir de sua natureza contingente nas sociedades capitalistas.

Biografia do Autor

Leonardo Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pós-doutorando da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS, vinculado ao Programa de Pós-graduação em Ciência Política.

Flávio Busnello, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pós-doutorando da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS, vinculado ao Programa de Pós-graduação em Ciência Política.

Leonardo Granato, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor do Programa de Pós-graduação em Ciência Política da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS.

Publicado
2021-11-05