Dinâmicas regionais no Capitalismo Sul Atlântico Brasileiro

notas teórico-metodológicas

  • Carlos Brandão
Palavras-chave: Brasil; Grandes Projetos; Infraestrutura; Espaço Regional; Estatalidade

Resumo

O artigo procura discutir o processo de concentração na porção territorial que denomina Capitalismo Sul Atlântico Brasileiro, onde tende a se intensificar, no período recente, sobretudo com a exploração de commodities e as pressões por uma infraestrutura adequada a seu funcionamento. Apresenta um esboço de esquema analítico que procura dimensionar os poderes privado, público e contra- -hegemônico e sua capacidade diferencial de encadeamento de decisões cruciais em variadas escalas, níveis de governo e âmbitos de poder, que produzem conflitivamente o espaço social. O texto conclui que nas últimas décadas o Brasil aprofundou especializações de natureza regressiva, perdeu elos produtivos importantes e passou a ser ainda mais orientado por vantagens competitivas estáticas ligadas ao processamento contínuo de recursos minerais, florestais, siderúrgicos, energéticos, agrícolas e pecuários, o que impactou fortemente a porção territorial
aqui considerada e particularmente o estado do Rio de Janeiro. Quanto a este último, suas débeis relações de inter-ramificações, inter-regionalidades e interurbanidades dificultam a sustentação de um processo de desenvolvimento com maior autonomia, a construção de uma rede urbana mais equilibrada e interiorizada e a obtenção de maior coerência em suas diversas subregiões.

Publicado
2016-11-16