Migrações transfronteiriças na Amazônia ocidental

  • Gislene Santos, Profa. Dra. Professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde coordena o Grupo de Estudos em Espaço e População (GePoP) e desenvolve pesquisa sobre migrações na América Latina.
Palavras-chave: Migrações Internacionais, Fronteiras, Brasil, Bolívia

Resumo

O Brasil possui uma longa extensão territorial na área de fronteira internacional. Entre os países fronteiriços, destaca-se a Bolívia. Historicamente, pessoas, bens, informações e mensagens cruzaram e ainda cruzam os dois lados, ultrapassando os limites nacionais. No contexto da circulação de pessoas, uma densa rede social formou-se na cidade de Guajará-Mirim, localizada no estado de Rondônia (Brasil), no limite com o Departamento de Beni (Bolívia). Na cidade de destino, os bolivianos se inserem nos serviços do mercado laboral urbano e no setor agrícola. O presente artigo apresenta e analisa o contexto contemporâneo dessa migração, o papel do Estado brasileiro e os acordos bilaterais entre Brasil e Bolívia para a normatização deste fluxo e se focaliza na inserção dos bolivianos no mercado laboral local. Também apresenta uma reflexão sobre os limites de uma integração fronteiriça no campo das políticas migratórias.

Publicado
2019-05-30
Seção
Artigos