Por uma filosofia sem adjetivos e humana

  • Aparecida Maria Abranches Uenf
Palavras-chave: Leopoldo Zea, Filosofia, América Latina

Resumo

“Existe uma filosofia de nuestra América?”, pergunta o peruano Augusto Salazar Bondy. Estranha pergunta na história da filosofia ocidental, porém não estranha à sua expressão latino-americana. Nesta expressão, a estranha pergunta é constitutiva da história de povos que no alvorecer da modernidade ocidental tiveram sua humanidade questionada, posta “entre parênteses”. A eles foi negado o direito ao Verbo, ao logos, à palavra, que trazem em si a propriedade e o poder de nomear, criar e ordenar.  Desse modo o filósofo mexicano Leopoldo Zea inicia sua narrativa crítica da história da filosofia na América latina em “A filosofia latino-americana como filosofia pura e simplesmente” ou, no original, “La filosofia americana sin más”, publicada em 1969. O objetivo nesta resenha é apresentar os argumentos centrais de cada capítulo. 

Publicado
2017-12-18